Vamos falar da "gripezinha" do momento

Comentários · 166 Visualizações

O problema do Covid-19 tem sido um tema diariamente debatido, mas é necessário perceber que OPINIÃO não significa VERACIDADE.

   Não é novidade para ninguém tudo aquilo pelo qual estamos a passar. Também não é novidade que correm nas redes sociais e canais de televisão mundiais informações sem nexo e sem a mínima orientação. Há quem faça transparecer que estamos perante apenas mais uma "gripezinha" e que estamos todos demasiado alarmados e a causar o caos nas populações. Esses mesmos que afirmam tais absurdos, mostram incapacidade e inconsciência para perceber que a situação é grave, e não entendem que a população tem o dever de estar devidamente informada.

    Vamos perceber:

   NÃO, NÃO É APENAS MAIS UMA "GRIPEZINHA". Trata-se de um vírus, pertencente a uma família já denominada e conhecida: os Coronavírus, sendo que este novo membro da família é recente e não existe informação de como combatê-lo, embora provoque reações no corpo semelhantes a uma gripe dita normal

   SIM, PODE SER MORTAL. Para quem desconhece, esta família de coronavírus afeta, maioritariamente, animais, sendo mais raro infetar pessoas. No entanto, e por mais raro que seja, não é algo impossível de acontecer (e está à vista!). Se uma simples gripe sazonal pode levar à morte de indivíduos mais fragilizados, claro que esta infeção também pode. Propaga-se mais rapidamente que outro tipo de gripe e pode mesmo vir a ser mais letal.

   NÃO AFETA APENAS IDOSOS. Sabemos que há grupos de risco, e que os idosos estão incluídos, mas não são apenas estes os infetados. O vírus não escolhe idade, estatura social ou raça. Afeta todos, uns mais que outros.

   É importante perceber que todos devemos respeitar as normas que nos são impostas. Esquecer agora o próprio umbigo, e pensar que direta ou indiretamente, podemos estar a prejudicar quem nos rodeia. 

    Esqueçam as saídas para visitar familiares ou amigos, irão ter muito tempo para isso.

   Estão apenas a pedir-nos para ficarmos nas nossas casas e deixarmos trabalhar quem sabe. Então, vamos deixar quem sabe exercer as suas funções, porque estão a trabalhar em função de todos nós e para um bem comum.

   Acima de tudo, respeito pelos outros.

   Fiquem em casa e protejam-se, individualmente e coletivamente.